15/04/2021 ás 10:50:21
CDL de Tangará da Serra juntamente com o setor educacional aguarda sanção de Lei, para retornar às aulas no Estado.
reconhece as atividades educacionais como essenciais, enquanto durar a pandemia, foi aprovado pela Assembleia Legislativa no início do mês., reconhece as atividades educacionais como essenciais, enquanto durar a pandemia, foi aprovado pela Assembleia Leg
O projeto de lei original – o 172/2021 apensado ao projeto 21/2021
CDL Tangara da Serra
Descrição da foto: Comunicação CDL
Foto por: CDL

O meio educacional aguarda com expectativa a definição do governo do estado, para voltar as aulas presenciais em Mato Grosso.

O projeto de lei original – o 172/2021 apensado ao projeto 21/2021, reconhece as atividades educacionais como essenciais, enquanto durar a pandemia, foi aprovado pela Assembleia Legislativa no início do mês.

Na prática, a aprovação do projeto significa permitir a reabertura das instituições de ensino públicas e privadas nos 141 municípios de Mato Grosso. Mas a lei ainda depende da sanção do governador Mauro Mendes (DEM) para entrar em vigor.

Se for sancionada, ela vai favorecer as unidades das redes pública e privada de ensino municipal, estadual e federal, desde a educação infantil até o ensino técnico e superior.
Houve apenas seis votos contrários à proposta dos seguintes deputados: Eduardo Botelho (DEM), Valmir Moretto (Republicanos), Lúdio Cabral (PT), Allan Kardec (PDT), Dr. Gimenez (PV) e Dr. Eugênio (PSB).

O Presidente da Comissão de Educação, Wilson Santos discursou em favor da própria sugestão. Defendeu que a lei já vigora em outros Estados do país, como Santa Catarina e Rio Grande do Sul, e citou dados que embasam seus argumentos.

“Os pobres não tem computador. A única alternativa é a aula presencial. O ensino on-line patrocina à distância social. O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Universidade de Zurique, na Suíça, realizaram estudos de que países em desenvolvimento têm desempenho muito melhor com as escolas em pleno funcionamento, desde que respeitada as medidas sanitárias. Não estamos nos baseando em achismo”, disse.

Um estudo realizado no município de Sorriso, através de pesquisa, apontou que “17 mil profissionais envolvidos na educação tiveram contaminação de 0,05% após o retorno às aulas. As escolas são ambiente seguro. Muitas escolas municipais e particulares estão compromissadas com as regras sanitárias. Universitários têm maior discernimento e poderão perfeitamente cumprir regras”, defende a deputada Janaina Riva..

defendeu que, em paralelo ao reconhecimento das atividades educacionais como essenciais, a Assembleia Legislativa precisa adotar medidas para incluir os profissionais da educação no rol de prioritários da vacinação contra a covid-19.

“Muitos professores e estudantes clamam pelo retorno às aulas presenciais e nós devemos assegurar a essência desta atividade. Mas, desde já, eu entendo que cabe a Assembleia Legislativa articular com o Executivo vacinação prioritária aos profissionais da educação”, defendeu o deputado Thiago Silva (MDB).

Em Tangará da Serra, a CDL através do núcleo de Educação apoio a volta às aulas.

Conforme o presidente da entidade, Alessandro Rodrigues Chaves “infelizmente o setor educacional no geral, estão numa situação delicada neste momento, tendo a sua liberdade limitada com os dois decretos vigentes. Acreditamos na sansão e volta às aulas presenciai nas nossas unidades", defendeu.

O prefeito Vander Masson reforçou que, só autorizará a volta as aulas, nas escolas publicas e privadas, se o governador sancionar a Lei.

Fonte: CDL
Escrito por: CDL